Louvor a quem?

Dos assuntos mais difíceis de se discutir e que tratam das maiores controvérsias no mundo cristão é a aqueles o referentes a música denominada gospel. Talvez pelas características denominacionais que cada uma trás e que pelo fato das discussões, quase sempre acaloradas, nem sempre serem consideradas como um debate produtivo. Mas não
é sobre diferenças entre as canções que quero discutir. Quero tratar do que essas músicas tem em comum, quero apontar como são em suas semelhanças, apontar o que são como um conjunto.

Sendo direto fico triste em admitir que não é Deus o alvo mais comum nas músicas atuais, não é sobre Deus que as músicas mais populares do nicho gospel tratam. Tratam de "sofrimento" do ser humano, tratam de como "se portar diante de Deus" (este mais com invencionices do que com ampara bíblico), tratam de "vitória na vida", tratam de revanche, vingança, tratam de concepções do que Deus "tem que fazer" pelo ser humano, tratam das mais variadas coisas e assuntos, mas não tratam de louvar a Deus e engrandecer o seu nome. Em outras palavras o "tudo que tem fôlego, louve ao Senhor" do Salmo 150 é completamente desprezado, louvar a Deus não tem sido o alvo, não tem sido a principal intenção da música gospel atual pelo menos não tem sido o alvo das músicas que fazem mais sucesso nesse meio. 

Qual é o compromisso desse tipo de música com a propagação do Evangelho, então? Digo que nenhuma. Não trata da Graça, não trata do amor de Deus, não trata da morte de Cristo, não trata de compromisso com Deus, não há intenção de receber respostas de Deus, antes há o "dizer que Deus disse" quando Deus preferiu o silêncio e essas coisas não ajudam na edificação do crente. A intenção é trazer o ouvinte que não se importa com Deus, mas com o que Deus pode fazer em favor de sua vida no campo financeiro, no campo pessoal, no campo amoroso, enfim nos mais diversos campos da vida. Não há a compreensão de que a ordem na vida do crente é consequência de uma vida para Deus e que isso não é regra, regra deve ser a submissão dos crentes a soberania desse Deus. 

Com isso chego a seguinte conclusão: o alvo da adoração das músicas gospel de maior sucesso hoje tem sido o próprio ser humano, tem sido satisfazer e idolatrar o ego humano e isso abrange todas as denominações do meio cristão. Para chegar a essa conclusão é necessário um exercício muito simples: ler as letras das músicas. Quando cantadas as letras são absorvidas com a ajuda da melodia que funciona como um gole de água que ajuda a engolir um alimento ruim, mas quando as letras são lidas e não contam com o auxílio da melodia para ser deglutida o resultado é que entalam na garganta e inevitavelmente é posta para fora.

Não quero ser leviano e colocar toda produção musical gospel no mesmo saco de farinha, mas sei que as que são produzidas e podem ser consideradas de boa qualidade são raras e infelizmente em muitos casos são pouco conhecidas.

Para finalizarmos, segue um bom exemplo de boa música cristã.


Comentários